20 de outubro de 2017

Resenha | Confesse

Já quero começar falando que esse livro me fez chorar de cara, enquanto lia o prólogo. Talvez eu ainda esteja sem palavras para ele, talvez ainda exista tanto sentimento dentro de mim por essa história que, talvez essa resenha seja regada de tudo que está guardado em mim depois dessas doze horas de leitura.

A vida da Auburn está muito complicada, a ponto dela chorar todos os dias na volta de casa. Ela perdeu seu primeiro namorado muito cedo, aos 15 anos, e quando tinha aquela idade ninguém acreditava muito no sentimento dos dois um pelo outro, mas era real e muito forte, e isso ainda tem impacto na vida dela. 

Ela está em busca de um advogado, não se sabe porque, mas precisa de um segundo emprego para pagá-lo. E é voltando pra casa e decidindo que dessa vez não vai chorar que ela encontra um lugar, uma parede com várias confissões. Só depois de ler várias que ela enxerga o aviso escancarado de "estamos contratando". Coincidência não amigos, destino. Leiam e entenderão.
Então ela conhece Owen, o artista, dono de todos os quadros incríveis que estão ali. Ele precisa de alguém para ajudá-lo naquela noite. E como na maioria dos romances, acontece alguma coisa entre eles. Não é um clima, é mais como magia, de tão bem trabalhado que é. Owen a observa trabalhar, ser gentil com as pessoas, a conversa fui entre os dois. Eles se esquecem que tem problemas, que tem tristezas, e a gente esquece junto.

Mas como tudo que é bom sempre tem alguma coisa para atrapalhar. O problema é que Owen não pode contar a Auburn qual o problema, ele não quer piorar as coisas pra ela. Só de falar isso me faz suspirar, porque não há personagem no mundo que supere o Owen. Ele é extremamente altruísta, gentil, empático. Ele faz a Auburn tão bem, mas tão bem que não parece certo eles precisarem ficar separados. Há motivos importantes demais pra ela para que isso seja assim e ele entende, ele apoia, ele é maravilhoso.

A Auburn já sofreu tanto nessa vida que tudo que a gente quer é que o mundo pare de ser tão injusto com ela e a deixe ser feliz um pouco. Com sua família e com Owen.
A história, apesar de conter momentos muito tristes, é super bem humorada, os personagens são incríveis e tão reais que dá vontade de abraçar, ou matar, que é o caso de pelo menos um. Mas o romance é a coisa mais linda aqui, o amor, a forma como eles se tratam, apoiam, suportam um ao outro. Eu podia passar um dia inteiro falando desses sentimentos aqui e ainda não seria o suficiente, só lendo pra entender.

Depois de pensar e pensar em como finalizar essa resenha, em ficar balançando a cabeça por minutos inteiros, eu só consigo dizer que eu realmente amei esse livro, amei muito forte mesmo. Essa história cheia de amor vai ficar guardadinha no meu coração até o momento - que mal posso esperar - em que vou tirá-la novamente da estante para viver tudo isso de novo.

Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino


18 de outubro de 2017

Resenha | Os 12 signos de Valentina

Já fiquei apaixonada por esse livro pela capa, mas essa é uma daquelas vezes em que a capa engana a gente. Não que eu tenha odiado a história, pelo contrário, ela é muito boa de ser lida e pode te agradar. Porém, algumas coisas me incomodaram bastante durante a leitura e isso acabou sendo importante na minha opinião geral do livro.

A Isa acabou de terminar um namoro de seis anos da pior forma possível e está muito na fossa. Sério, ela tá quase enterrada já. Pra piorar, ela passa o tempo inteiro fuçando o perfil do ex namorado no facebook, vendo fotos dele com a nova namorada, mais conhecida como ex melhor amiga da Isa. Mesmo que já tenha se passado muito tempo ela não consegue sair dessa. Até que sua prima/irmã, Marina, dá um ultimato pra Isa sair dessa, praticamente obrigando ela a cair na real, se vestir e sair com ela.
Nessa saída a Isa vai se perder da prima, ligar aquele sinal mental de "não to nem ai", beber pra caramba e terminar a noite no banheiro abrindo o coração para uma senhora. É essa mulher que vai abrir os olhos da nossa protagonista, indicando que o relacionamento dela não deu certo porque, a Isa é de áries e o seu ex, Lucas, é de peixes, supostamente o inferno astral do signo da garota.

Ela acredita plenamente nisso e passa a pesquisar freneticamente sobre astrologia e tenta entender o máximo possível do assunto. Então Marina dá a ideia fazer um experimento antropológico, no qual Isa testaria todos os signos e no final decidiria pelo melhor. É ai que Isa une o útil ao agradável e usa o tema como trabalho pro seu curso de jornalismo. O que ela não sabia é que o blog Os 12 Signos de Valentina ia fazer sucesso por toda faculdade, dando inicio a várias especulações e até um bolão pra descobrir quem é a pessoa por trás da Valentina. 

Ela também não sabia que ia acabar se apaixonando novamente. Mas o destino tem o seu jeitinho especial de pregar peças. 
O livro tem um humor muito gostoso, os personagens são atuais e suas personalidades fogem do clichê, apesar da história ser clichê. Contraditório porém verdade. Isso foi um ponto positivo. Mas acho que senti a personalidade da autora muito fortemente na personagem principal, como se ela tivesse se colocado ali, e as vezes isso se sobrepujava, como se do nada a gente visse outra pessoa no lugar da Isa. Talvez seja só um pouco de ranço por não ter me identificado com algumas ideologias da autora? Talvez. Confesso que virei os olhos algumas vezes, mas não foi isso que me fez não gostar do livro.

Eu entendo o bastante de astrologia pra dizer que a grande maioria dos signos foi estereotipada. Isso me irritou bastante. Chegando em câncer o rapaz chora a ponto de soluçar com um filme. O nome do cara de Leão é Leonardo/Leo, basicamente o nome do signo em inglês e meu deus, como ele se acha. A primeira coisa que o rapaz de virgem fala é "você está vinte minutos atrasada". Poxa. E ainda tem mais estereotipação, mas acho que vocês me entenderam. 

Outra coisa é que, apesar de não conter cenas sexuais explícitas, existem muitas piadas do tipo na história, além de vários palavrões. Só queria deixar isso claro, caso você não fique confortável com isso ou queiram saber se é indicado para a sua idade.


Autora: Ray Tavares
Editora: Galera Record
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino


16 de outubro de 2017

Tag literária de Halloween + Cartas de Halloween

Que eu sou uma pessoa muito medrosa todo mundo sabe, mas isso não me impede de ser apaixonada pelo halloween. Adoro as possibilidades que o tema proporciona. Decoração, festa, fantasias. Até as comidas podem ser assustadoras e fofas nessa época. Sem falar que a paleta de cores é a melhor de todas, a mais linda. Então aproveitei quando a Luana publicou no grupo mais trevoso da internet um convite para participar de uma troca de cartas temática. Então aproveitei que ia mostrar um pouco das cartinhas que fiz para responder uma tag literária de halloween, que faz parte da blogagem coletiva também do grupo.

Essas são minhas cartas por fora, fechadas com adesivos simples porque não desenho bem but who cares, ficou fofo e isso que importa. Fiz o envelope com cartolina preta e precisei colar esses círculos para escrever os endereços, pois minha caneta prateada infelizmente falhou.

1. Fantasma: Aquele livro que explodiu no lançamento, mas hoje ninguém mais ouve falar;
A culpa é das estrelas. Quando lançou foi aquela coisa né, ninguém parava de falar sobre. E quando lançou o filme piorou tudo, só se falava nisso. Eu li o livro e gostei muito, mas até hoje só assisti o filme pela metade. Achei bem chato.

Esse é o conteúdo do envelope. Todas elas foram com um cartão aterrorizante, uma folha arrancada de um livro antigo em inglês, um saquinho com adesivos e uma matéria maluca que encontrei em uma revista por aqui. Apenas em uma eu enviei aquele caderninho amarelo e em outra o meu chá preferido (que não é o da foto). Achei que ficou tudo tão fofinho.

2. Frankstein: Um personagem que todo mundo acha que é um monstro, mas você sabe que no fundo ele é só incompreendido;
Rhysand de Corte de Espinhos e Rosas, o personagem mais maravilhoso desse mundo inteiro. No começo a existência dele só dá ódio, mas com o passar dos livros a gente conhece o seu verdadeiro eu e não tem como não se apaixonar. Eu amo tanto esse personagem que dói.
Fiz um pacotinho para guardar os adesivos que fiz, aqueles ali no fundo da foto. Acho bem legal colocar coisas diferentes dentro do envelope além da carta, e embalar as coisas que vão dentro é uma ótima ideia para deixar tudo mais fofo.

3. Morcego: Um livro que você passou a madrugada lendo;
O último que me deixou assim foi um dos livros de Trono de Vidro. Não lembro se foi Herdeira do Fogo ou Rainha das Sombras, mas lembro que não conseguia parar. Fui dormir às três da manhã ainda com relutância, mas com a consciência de precisaria acordar às quatro. E adivinhem o que fiz assim que acordei? Isso mesmo, li mais um pouco. Esses livros me deixaram frenética.
Esse túmulo fofinho é um dos desenhos que fiz pros adesivos. Também fiz vários para fechar os envelopes. O plano era fazer desenhos no envelope, mas estava sem a caneta prateada, então tive que dar um jeito de deixar os envelopes personalizados e temáticos, então usei os adesivos.

4. Zumbi: Uma leitura que você achou difícil e teve que forçar o cérebro para conseguir entrar na história;
Fahrenheit 451. O livro é antigo, ou seja, com uma escrita diferente da qual já estou acostumada, mas a história também contribuiu para que eu não entrasse rapidamente nela, assim como alguns personagens. Mas gostei muito dessa distopia.
Os envelopes ficaram bem recheados.

5. Bruxa: Um personagem difícil de se relacionar; 
Ironicamente vou citar uma personagem que é realmente uma bruxa da ficção. Manon Bico Negro é uma pessoa bem bem bem difícil de se relacionar. Mas na verdade todas as bruxas de Trono de Vidro são, até entre as próprias bruxas é bem difícil ver um relacionamento que não seja de superiora e subordinada. Porém, elas são muito leais. E sim, tem sentimentos, apesar de não parecer, então protegem umas as outras não só porque é sua obrigação.
Os envelopes ficaram bem recheados, que era o que eu mais queria. Foi minha primeira vez enviando cartas e fiquei bem animada. Fazer tudo com muito carinho foi a melhor parte, é uma delícia colocar amor em forma de papel. Amei muito a experiência e quero muito continuar fazendo isso.

6. Múmia: Um livro que você enrolou para ler;
Passei três semanas pra ler Esqueça o Amanhã e quando já não aguentava mais eu fiz uma coisa que nunca havia feito antes, pulei algumas (muitas) páginas. Depois de ler o fim eu dei graças a Deus por ter feito isso.

7. Esqueleto: Aquele lançamento que você cansou de esperar;
Até agora não cansei de esperar nenhum, porque só passei a acompanhar algumas séries recentemente. Mas estou bem ansiosa para ler o sexto livro de Trono de Vidro que já lançou nos Estados Unidos mas não no Brasil. E também o terceiro de Corte de Espinhos e Rosas, que é Corte de Asas e Ruína, que já lançou por aqui. São meus livros favoritos e to louca pra saber o que vai acontecer nas duas séries.
As primeiras cartinhas da minha vida foram enviadas. Todo mundo ficou olhando pra esses envelopes pretos no correio, inclusive a atendente, mesmo antes de me atender. Foi bem engraçado. Mas não os culpo. Também ficaria olhando se visse um túmulo em uma carta. Vocês gostam de enviar cartas? 

8. Abóbora: um livro que você achou que ia ser maravilhoso, mas virou abóbora no meio do caminho;
Eu poderia citar Esqueça o Amanhã novamente. Tem uma premissa maravilhosa mas cometeu o erro de focar mais no romance e estragou demais. Mas para não repetir resposta, vou escolher Os 12 Signos de Valentina. Tinha tudo pra ser legal, porém teve muita estereotipação, muita opinião desnecessária e acabou virando abóbora pra mim.


11 de outubro de 2017

Resenha | Esqueça o amanhã

Em Esqueça o Amanhã vamos entrar num universo distópico onde todas as pessoas recebem uma memória do futuro aos 17 anos. Explicando melhor, ao completar essa idade, eles recebem um fragmento de memória que vai determinar o seu futuro. Você pode se ver como um cozinheiro manual, um nadador bem sucedido, uma cantora famosa. Ou pode enxergar a si mesma matando sua irmã mais nova. Foi exatamente isso que aconteceu com a nossa protagonista, Callie.

Antes mesmo de tentar entender o que aconteceu, a garota é presa. Ela não fez nada, mas a sua memória do futuro a transformou numa futura assassina, e assassinos precisam ser detidos. Pelo menos assim ela ficará longe da pequena Jessa e não tentará o Destino. Assim ela pensa, mas acontecimentos vão revelar o verdadeiro objetivo de todas aquelas garotas presas no Limbo.

Sua única chance de escapatória é Logan, seu melhor amigo de infância, que vem ajudá-la apesar de não se falarem a cinco anos. 

Callie tenta entender porque mataria a irmã, tenta entender sua memória, absorve todos os detalhes. Mesmo estando no Limbo ela tentava proteger a irmã daquelas pessoas, pois Jessa tinha habilidades psíquicas, e pessoas desse tipo não eram aceitas na sociedade. Levavam-nas para estudos científicos e nunca mais eram vistas. 
Mas a partir do momento em que Callie e Logan se reencontram a história principal dá uma bela parada para desenvolver o romance entre os dois. Eu gosto muito quando isso é bem trabalhado em todo o livro, sem ser necessário colocar a trama principal de lado. Isso foi um ponto muito negativo porque deixou o casal muito forçado, não convenceu, ficou chato. Ela passa o tempo inteiro pensando no quanto ele é lindo, maravilhoso, protetor. Então no segundo seguinte pensa que não poderá ficar com ele, egoísmo, etc. E quando eles se beijam, pelo amor de Deus, que horror. A descrição é exatamente a seguinte e eu fiquei sem reação pra isso a não ser vários pontos de interrogação na cabeça.
O beijo tem gosto de orvalho, de lágrimas de bebê e da neblina de uma noite enevoada. Parece felpa de dente-de-leão, seiva de árvore e o ferrão de uma abelha.
Eu nunca fui do tipo de pessoa que lê a última página do livro ou pula várias folhas, mas quando eu percebi já estava folheando, lendo algumas coisas mais pro final, despretensiosamente. Aí percebi que conseguiria continuar entendendo a história mesmo depois de pular da página 297 para a 358. Então cheguei ao fim e sério, dei uma gargalhada. 

Não é possível que a autora tenha criado essa história que foi realmente boa no começo, que me fez ansiar pela solução do livro, pelo resolver, pra saber a resposta de todos os porquês. Devia ter sido uma coisa absolutamente incrível e só agora estou percebendo que foi uma cópia muito mal feita de Convergente. Uma pena.

Autora: Pintip Dunn
Editora: Galera Record
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino


9 de outubro de 2017

Minhas bruxas favoritas da literatura

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva da Corte Vermelha, o grupo mais trevoso dessa internet.

Comecem a ler esse post consciente que eu sou uma pessoa medrosa e que não assisto, escuto ou leio coisas que possam me assustar. Mesmo assim vou escrever esse post porque eu conheço pelo menos uma bruxa incrível que preencheria esse post inteiro. E não, não é a Hermione.

Manon Blackbeak - Trono de Vidro
Antes de tudo eu gostaria de dizer que nunca vi bruxas como as dessa série (maravilhosa) de livros. Pra começar elas são basicamente monstros. Tem unhas e dentes de ferro, além uma beleza sobrenatural. Até hoje não sei se elas gostam do sangue ou do gosto da carne dos homens, mas elas gostam mesmo é de se divertir os caçando. Elas tem um objetivo, descobrir como quebrar uma maldição lançada por suas ancestrais, e assim conseguir suas terras de volta. Então fazem de tudo pra isso acontecer.

A Manon é a líder das Treze, o grupo mais lendário de bruxas que existe, formado com as mais bem treinadas e mortais bruxas. Eu fico até sem palavras, não consigo expressar o quanto elas são (imagine um palavrão aqui) incríveis. A Manon tem um controle fora do comum com suas Treze. Não se engane, elas não se tratam como família, mas como subordinadas mesmo. Protegem uma a outra por orgulho (pelo menos no começo), porque são As Treze, imbatíveis.
We are Thirteen, from now until the Darkness claims us

Jadis, a Feiticeira Branca - Nárnia
A Jadis dos filmes é muito boa, sério, amo muito, mas a dos livros é insana. Eu li O Sobrinho do Mago esse ano e foi incrível saber mais sobre a Jadis, de onde ela veio, como foi parar em Nárnia. Se tiverem oportunidade de ler esse livro, leiam. A escrita do C. S. Lewis é maravilhosa. 

A imagem dela no livro é como essa da ilustração, como se fosse uma gigante. Ela causa muita confusão, se acha a rainha do mundo, quer mandar em todos, castigar todos, é muito muito má. As crianças (que não saberão quem são a não ser que leiam os livros) tentam a todo custo mandá-la de volta para onde veio, mas é bem complicado. 

Gandalf - Senhor dos Anéis
Que Dumbledore me desculpe, mas Gandalf é o mago mais maravilhoso desse mundo. Não sei como ele é nos livros (pelo amor de Deus preciso desses livros) em questão de magia, mas o cara não depende só disso. É um senhorzinho, mas luta muito bem com uma espada, com as palavras, com a mente. Amo demais.

Poderia colocar todos os personagens de Harry Potter nesse post? Poderia. Mas vou deixar subtendido aqui, pra não dizer escancarado, o meu amor pelos livros de HP, pelos meus bruxos preferidos do mundo, enfim. 


Adaptado por Isabelle Felicio

Tema Base por Butlariz